Home Biografia
O Monocórdio
Música e o corpo
Bibliografia e Links

Música e o corpo

         Pitágoras combinava matemática com música, e considerava a harmonia matemática como a pedra fundamental de toda a criação, existência e operação do universo. Apesar de sua descoberta da relação numérica entre os sons consonantes, ele afirmava que não só a música que ouvimos, mas todas as harmonias e proporções geométricas da natureza podem ser descritas por relações entre os números inteiros, como se estes, iguais à música, também tivessem as suas melodias próprias. E esta idéia se estendeu até os corpos e as esferas celestes, onde acreditava-se que as distâncias entre estes elementos obedeciam uma relação harmônica. Portanto, do mesmo modo que a corda da lira gera música harmônica para determinadas razões de seu comprimento, os padrões geométricos do mundo também geram as suas melodias.
       Iâmblico em seu livro “Vida de Pitágoras” apresenta um capítulo que mostra a tamanha importância que era dada a música e a melodia do cosmos no dia a dia de Pitágoras e seus discípulos:

      “Todavia, concebendo que a primeira atenção que se deve prestar aos homens é a que ocorre através dos sentidos, como quando alguém percebe belas figuras e formas ou ouve belos ritmos e melodias, ele estabeleceu como primeira coisa a erudição que subsiste de certos ritmos e melodias, dos quais se obtém os remédios para a cura das maneiras e paixões humanas, bem como as harmonias inerentes aos poderes da alma, que ela possuísse desde a sua origem... Pois Pitágoras era de opinião que a música contribuía sobremodo para a boa saúde, se utilizada de maneira adequada. Aliás, costumava empregar uma purificação desta espécie, mas não de maneira arbitrária, e denominava purificação á cura que se obtinha por meio da música. Além disso, dividia as medicinas(ou curas), calculadas para reprimir e expelir as moléstias tanto dos corpos como das almas.
       O que merece salientar-se, acima destas particularidades, é o seguinte: ele dispunha e adaptava a seus discípulos os chamados aparatos e contretações,  divinamente  inventando combinações de certas  melodias  diatônicas,  cromáticas  e enarmônicas,  mediante as  quais ele  facilmente  transferia e circularmente conduzia as paixões da alma para uma direção contrária, quando haviam sido formadas recentemente, e de  maneira  irracional e clandestina; tais como a tristeza, ira, dó, temor e emolução absurda, todos os vários desejos, ódios e  apetites, orgulho, inércia e veemência. Pois cada uma destas ele corrige com a regra da virtude, afirmando-a através de melodias, apropriadas, e de certas medicinas salutares.
        
À noite, também,  quando  seus  discípulos iam  recolher-se  para dormir, ele  os libertava das perturbações e tumultos diurnos por meio de certas odes e cantos peculiares, e purificava o seu poder intelectivo das ondas refluxivas e efluxivas de natureza corpórea, para tornar-lhes o sono tranqüilo, e agradáveis  e proféticos  seus sonhos. Mas quando  acordavam e se levantavam, ele os libertava do torpor, relaxação e sonolência noturnos por meio de certos cantos e modulações peculiares, produzidos pelo simples vibrar das cordas da lira ou pelo emprego da voz.
       No  entanto, Pitágoras, pessoalmente, não procurava  uma tal coisa através de  instrumentos  ou da  voz, empregando certa  divindade  inefável, difícil  de  apreender, ele como  que  esticava seus  ouvidos  e fixava  seu  intelecto  nas sublimes sinfonias do mundo, só ele ouvindo e compreendendo, ao que parece, a harmonia universal e a consonância das esferas e das estrelas que se movem através delas e produzem  uma melodia  mais  completa e mais intensa do  que qualquer  uma efetuada  por  sons  mortais.  Esta   melodia   também  era  o  resultado  de  sons,  celebridades,  magnitudes  e  intervalos dissimilares e multidiferentes, dispostos com certa correspondência uns com os outros numa certa razão musical,  e assim produzindo um delicadíssimo e, ao mesmo tempo, variadamente belo movimento ou circunvolução. Estando, pois, irrigada, 
figura7
por assim dizer, por esta melodia, e tendo a razão se seu intelecto bem ajustada a ela e, posso dizer, exercitada, ele determinava exibir certas imagens destas coisas e seus discípulos, tanto quanto possível, produzindo especialmente uma imitação delas por meio de instrumentos e meramente da simples voz.
      Às vezes, ainda, por sons musicais somente, desacompanhados de palavras, eles (os pitagóricos) curavam as paixões da alma e certas moléstias, em realidade por encantação, como eles dizem. E é provável que daí a palavra epode, isto é, encantamento, veio a ser geralmente usada. Portanto, desta maneira, através da musica produzia Pitágoras a mais benéfica correção dos hábitos e vidas humanas. ”

          Vemos  então a importância que Pitágoras dava a música no seu dia a dia, no ensinamento de seus discípulos e como ela era utilizada para a cura de doenças ditas da alma. Diz um conto que Pitágoras uma vez viu um jovem rapaz bêbado enfurecido, que tinha visto sua mulher sair da casa de seu maior rival, e estava prestes a matá-la, mas utilizando de uma melodia específica conseguiu acalmar o rapaz evitanto assim um assassinato.
         Diziam também que ele era o único homem que conseguia escutar a melodia das estrelas e que toda a noite antes de dormir olhava para os céus para contemplar o que os astros cantavam.