Home        
Biografia      
O Monocórdio
Música e o corpo
Bibliografia e Links

O Monocórdio de Pitágoras  

      A descoberta de Pitágoras com seu monocórdio é uma das mais belas descobertas, que fundiu na época a matemática e a música. Os Pitagóricos foram os únicos até Aristóteles a fundamentar cientificamente a música, começando a desenvolvê-la e tornando-se aqueles mais preocupados por este assunto.   
         Segundo conta a lenda, ao passar em frente a uma oficina de um ferreiro, Pitágoras percebeu que as batidas de martelos de diferentes pesos produziam sons que eram agradáveis ao ouvido e se combinavam muito bem. Para pesquisar estes sons, Pitágoras teria esticado uma corda musical que produzia um determinado som que tomou como fundamental, o tom. Fez marcas na corda que a dividiam em doze secções iguais, este instrumento mais tarde seria chamado de monocórdio, o qual se assemelha a um violão, mas tem apenas uma corda.


figura1


        Feito isso tocou a corda na 6ª marca(correspondente a 1/2 do comprimento da corda) e observou que se produzia a oitava.


figura4

        Tocou depois na 9ª marca (correspondente a 3/4 do comprimento da corda) e resultava a quarta.


figura6

        Ao tocar a 8ª marca (correspondente a 2/3 do comprimento da corda) resultava-se na quinta.

figura5

       Assim as fracções 1/2, 3/4, 2/3 correspondiam à oitava, à quarta e à quinta. Para um melhor entendimento dessas descobertas mostrarei a seguir uma breve explicação sobre o significado das oitavas quartas e quintas.

      É  sabido   que  o  ouvido   humano   chega  a  perceber    diferenças  de   altura  (agudo ou grave)   que    correspondem  a aproximadamente 0,03 de um semitom, o  que nos daria a possibilidade de perceber 30 alturas diferentes no  intervalo de um semitom. Uma seqüência de alturas selecionadas entre essas possibilidades é chamada de escala e cada altura dessa  escala  é chamada de nota. A razão entre duas notas é chamada de intervalo. Por exemplo, o intervalo entre uma nota de 100Hz e uma nota de 150Hz tem uma razão de 2 para 3 (100/150 = 2/3). Em música alguns intervalos  que  correspondem às alturas de  uma escala tem  nomes específicos,  como  a  relação de 1/1 é chamada  de  uníssono, de 1/2 é chamada de oitava, 2/3 de quinta e  3/4  de  quarta. Em geral, a oitava  é  tida como  intervalo  de  referência  na  formação  das  escalas e os  outros intervalos  são subdivisões da oitava.
      Pitágoras verificou também que os sons produzidos tocando  outras  marcas  resultavam em dissonâncias, ou seja, sons não  tão  agradáveis  como  os  anteriores. Então  pitágoras  descobriu  que todos os  intervalos musicais que ele considerava  agradavéis são apenas regidos por estas três simples frações: 1:2 , 2:3 , 3:4.
       Segundo  Pitágoras,  o  princípio  essencial  de  que  são  compostas  todas  as  coisas,  é   o número.  Assim   os números constituíam o verdadeiro elemento de que constituía o  mundo. Referia-se ao “um” como ponto, ao  “dois” como  a linha, ao “três” como a superfície e ao “quatro” como o sólido, de acordo com o número mínimo de  pontos  necessários para  definir cada qual dessas dimensões. Então ao somarmos os pontos conseguíamos  formar as linhas;  as  linhas, por sua vez somadas  formavam as superfícies e estas somadas formavam os volumes, podendo a partir dos  números 1, 2, 3, 4 construir o mundo. Para a soma destes, o “dez”, Pitágoras deu  o  nome  de tetractys, que  era considerado  o número perfeito, que  continha toda a harmonia da natureza  e  do cosmo. Assim as relações  musicais  que  determinavam  as  proporções relativas  os  sons  mais  consonantes também estavam de acordo com o tetractys e portanto eram perfeitas.
figura3